Uma obra de arte é um bem para toda uma vida e, para protegê-las, destacá-las e conferir o acabamento correto para cada uma delas, uma boa moldura é indispensável. Mas como escolher o modelo correto? “Existem molduras de diversas cores, materiais e formatos. Na hora de escolher, é importante levar em conta qual o efeito se deseja que ela cause na decoração”, indica Ieda Korman, arquiteta e sócia ao lado de Carina Korman, do escritório Korman Arquitetos.

Molduras valorizam e protegem as obras de arte. Nesse projeto do Korman Arquitetos, a escolha foi por um tom semelhante ao da fotografia, para criar harmonia. Foto: JP Image

Segundo a profissional, escolher a moldura ideal para uma obra de arte ou fotografia exige muita sensibilidade, mas algumas dicas podem ajudar no processo. “Em primeiro lugar, é importante saber que a moldura deve ser escolhida para a obra, e não para o ambiente. São as cores e estilos da tela que determinam o melhor tipo de moldura”, afirma. Quadros de paisagens, por exemplo, se complementam perfeitamente com molduras de madeira, ao passo que pinturas com cores mais quentes podem harmonizar com molduras de tons semelhantes. “Via de regra, molduras em tons claros e neutros, como bege ou branco, ressaltam as cores das obras e são ótimas para valorizar as telas”, opina Ieda Korman.

Para seus projetos, as profissionais do Korman Arquitetos optaram por combinar as molduras com os estilos das obras de arte. Fotos: Gui Morelli

Além das cores, Ieda Korman afirma que é importante se atentar ao estilo e peso da moldura. “Quadros com imagens fortes podem receber molduras imponentes. Agora as pinturas ou fotografias monocromáticas, em preto e branco ou mais simples, se harmonizam melhor com molduras leves e de linhas retas”, diz. Assim, o desenho da moldura conversa com a densidade da obra. “Para quadros pequenos, uma dica é procurar uma moldura côncava, capaz de trazer a sensação de amplitude para a obra”, indica.

Para esse projeto clássico, as profissionais do Korman Arquitetos escolheram uma moldura discreta, com tom que harmoniza com a tela de Tikashi Fukushima. Foto: Gui Morelli

Em relação aos estilos, para quem gosta de ousar é cabível brincar com contrastes e trazer molduras clássicas para valorizar obras contemporâneas. O mais seguro, porém, é alinhar o estilo da tela com o da moldura, criando uma harmonia e coerência. “Apesar de ser o mais comum, não existem regras na hora de emoldurar uma obra. É possível deixar a imaginação e estilo a solta”, afirma Ieda Korman.

Cuidados com as molduras

Para garantir a boa conservação das obras e das molduras, alguns cuidados com a limpeza são essenciais. Nunca utilize produtos químicos, água ou álcool na hora de se livrar da poeira, especialmente em molduras de madeira – o processo deve ser feito apenas com um pano macio ou pincel. Na hora de limpar o vidro, opte por um pano de algodão levemente umedecido com água e um pouco de álcool ou produto específico para a limpeza do material. “Além dos cuidados com a limpeza, deixar as obras longe da luz solar direta é essencial”, aponta Ieda Korman. Isso porque o sol em excesso pode prejudicar a obra, causando desbotamento e manchas que em alguns casos podem ser irreparáveis. A atenção com a parede também é importante, evitando infiltrações e mofos.

Korman Arquitetos

Rua Groenlândia, 1877, Jardim América, São Paulo
Tel.: (11) 3060-8313
www.kormanarquitetos.com.br

Fonte: da Redação/Assessoria/Korman Arquitetos