A utilização de móveis e objetos herdados, que reforçam boas memórias e tradições familiares, como presentes especiais ou lembranças de infância, por exemplo, tornam os ambientes muito mais acolhedores e com uma identidade particular.

Por ser uma forma de decoração não relacionada a tendências ou itens específicos, não há regras ou cores pré-estabelecidas, por isso, não é preciso ser especialista da área para compor os espaços, já que a proposta é transmitir a sensação de aconchego e personalidade, e que é claro, reforcem as boas lembranças.

Também é importante ressaltar que a utilização destes tipos de móveis e artefatos reforça a questão de sustentabilidade, pois com o reaproveitamento das peças, se evita o consumo desenfreado e o descarte inconsequente de materiais de qualidade.

Estou enviando algumas fotos da casa da publicitária e empreendedora Adele Fazioli, que utiliza muitas peças herdadas e restauradas em sua decoração.

Além disso, ela é sócia do Arco da Velha Ateliê, empresa fundada por seus pais há mais de 40 anos. O negócio conta com um depósito de materiais de demolição, um galpão com móveis antigos, oficina e marcenaria próprias, localizados próximo a Riviera de São Lourenço, em Bertioga, litoral norte de São Paulo, cujo espaço – uma vilinha italiana – também pode ser alugado para eventos, feiras e exposições.

Fonte: Da Redação/Assessoria