Se em algum momento você considerou investir na iluminação LED para sua empresa ou até mesmo como uma opção para iluminação pública, eu lhe digo: agora é o momento certo! Com a rápida deterioração da saúde do planeta, aquecimento global e crise econômica, há uma crescente demanda por soluções que sejam amigas do meio ambiente e, por que não?, economicamente mais vantajosas.

LED street light poles in the day. Blue sky background

As LEDs são a forma mais atual e eficiente em tecnologia de iluminação e, apesar de parecem mais caras na prateleira, são também mais duráveis que suas concorrentes e usam até 75% menos energia – o que a coloca como o melhor custo-benefício. Historicamente, as primeiras da fila em iluminação foram as lâmpadas incandescentes, seguidas da tecnologia da descarga de gás. Desde 2008, quando surgiram no mercado os LEDs com potência superior a 1W, o dispositivo passou a ser utilizado para iluminação geral ao invés de apenas na iluminação de sinalização.

Cada tecnologia representa saltos quânticos de eficiência e durabilidade. Para se ter uma ideia, a tecnologia incandescente gera 30 lm/W (lumens por Watt consumido) e 1.000 horas de durabilidade. O LED, em contrapartida, oferece 160 lm/W de eficiência e 100.000 horas de durabilidade.

Estamos vivendo o melhor momento para esse investimento, ou melhor, para essa transformação. Isso se comprova a partir de dois grandes fatores: a redução de custos das luminárias dado o avanço da tecnologia, e sua eficiência energética. A solução apresenta duas possibilidades positivas para a indústria e as cidades: economia imediata na conta de luz e maior eficiência na iluminação.

As cidades com iluminação pública eficiente apresentam melhores índices de segurança e uma menor taxa de acidentes, e as indústrias passam a ter maior economia e eficiência. O planeta ganha com os benefícios ambientais, já que a tecnologia LED não utiliza metais pesados e seus componentes são reutilizados. Em termos de manutenção, temos um produto muito mais durável, que não necessita de frequentes manutenções e substituições, o que gera uma economia importante.

Para verificar o ROI (retorno sobre investimento), basta checar a carga utilizada para iluminação com a tecnologia anterior e pela utilizada agora na tecnologia LED. A redução de carga fica por volta de 60% considerando um cálculo de retorno simples apenas pela troca da tecnologia. Um estabelecimento que utiliza iluminação por 12 horas/dia tem um payback médio de um ano; um estabelecimento que utiliza iluminação 24 horas/dia tem um payback de seis meses. Se considerarmos a ausência da necessidade de manutenção (a tecnologia LED dura cerca de cinco vezes mais do que a tecnologia de descarga de gás), o cálculo pode fica mais atrativo ainda.

E a boa notícia é que, em termos de evolução da tecnologia, esse é só o começo. Os primeiros LedChips comercias utilizados em 2009 tinham uma eficiência de 80 lm/W; hoje, já existem LedChips em laboratório que atingem 200 lm/W.

Vivemos também a era da miniaturização da luz. Com LedChips diminutos e cada vez mais eficientes, temos luminárias com superfícies emissoras de luz menores. Com a combinação da dissipação de calor do LedChip com ligas de alumínio e utilização de elementos óticos para direcionar o faixo de luz emitido, o conjunto opto eletrônico das aplicações do LED são a bola da vez.

Alexandre Dellai Schlieper é head de pré-vendas e serviços na Unicoba e possui mais de 15 anos de experiência no desenvolvimento de vendas consultivas para clientes B2B / B2G.

Unicoba

A UNICOBA® é uma das maiores empresas de soluções de energia do Brasil. Fundada em 1973, a empresa desenvolve soluções de eficiência energética e armazenamento de energia combinando extensa experiência em manufatura de eletrônicos com agilidade operacional para liderar os mercados clientes. Presente em mais de 85% das maiores empresas do Brasil, a UNICOBA® conta com mais de 1.000 funcionários diretos e é reconhecida pela abordagem consultiva, de inovação e empreendedora nestas quatro décadas de operação. Sua sede está localizada em São Paulo/SP e possuí duas plantas industriais (Manaus-AM e Extrema-MG) e parceria comercial com 2 escritórios na Ásia (Seul e Shenzhen).

Fonte: Da Redação/Assessoria/Unicoba/Alexandre Dellai Schlieper