O sofá é um dos móveis mais importantes da casa. Sinônimo de aconchego, o item tem grande durabilidade e pode compor várias fases de uma decoração. Mas, engana-se quem pensa que por isso é necessário investir em um modelo neutro e que não se destaque tanto. O sofá pode – e deve! – ser protagonista do ambiente, seja em uma sala de estar, de TV ou em um espaço que divida as situações.

Pensando nisso, convidamos a arquiteta Alessandra Gandolfi para dar algumas dicas na hora de escolher um sofá que vai ser a estrela do seu ambiente. Confira:

Entenda o estilo da casa

Projeto: Alessandra Gandolfi | Foto: Marcelo Stammer

Compreender o estilo dos moradores vai determinar quais escolhas compõem harmonicamente com o todo. “Neste projeto, optamos por aquecer a sala de estar com o sofá Natuzzi na cor telha, que traz um toque de personalidade à paleta de cores e materiais mais clássicos, garantindo o ar contemporâneo desejado pelos clientes”, explica Alessandra.

Se atente às necessidades do espaço

Projeto: Moba Arquitetura – sofá Amaranto, da Estofados Jardim | Foto: Alexandre Zelinski

Conhecer a rotina dos moradores e como esse espaço será utilizado é essencial para escolher o sofá ideal. “Se o local for usado para sala de visitas e para assistir televisão, por exemplo, é preciso optar por um modelo ergonômico e versátil, que possibilite conforto em ambas as situações. Já se os cômodos forem autônomos, é possível separar as prioridades de cada espaço”, ressalta a profissional.

No projeto do escritório Moba Arquitetura, as profissionais optaram pelo sofá Amaranto, da Estofados Jardim, modelo modular, extensível e reclinável que se encaixa a vários momentos.

Crie contrastes no ambiente

Projeto: Alessandra Gandolfi | Foto: Eduardo Macarios

Que tal criar um contraste entre a paleta de cores do projeto e a tonalidade do móvel? É o caso do sofá Natuzzi, que assume o protagonismo do ambiente com seu tom azul escuro, criando um contraste de cores e também de formas no apartamento integrado – além de adicionar versatilidade com seu sistema elétrico para abertura. “É possível utilizar tons mais neutros, como o amadeirado e a leveza das pedras naturais, para criar uma base suave, deixando a cor para o sofá – e alguns itens de decoração”, sugere a arquiteta.

Ouse nos formatos

Projeto: Vigore Arquitetos | Foto: R.Vieira

Para quem não deseja marcar o espaço com tons mais fortes, fugir dos formatos tradicionais pode conferir um ar mais descontraído e moderno aos ambientes. “Brincar com formas e volumes pode fazer da peça a grande estrela de qualquer espaço, seja ele residencial ou comercial”, afirma.

Fonte: Da Redação/Assessoria/